Três sul-americanos tentam o título do QS 6000 de Newcastle

Três sul-americanos tentam o título do QS 6000 de Newcastle

O líder do ranking Jadson André, Alex Ribeiro e o peruano Miguel Tudela, passaram para as quartas de final que vão abrir o domingo decisivo do Burton Automotive Pro na Austrália

Miguel Tudela (PER) (@WSL / Tom Bennett)

O potiguar Jadson André, o paulista Alex Ribeiro e o peruano Miguel Tudela, venceram suas baterias no sábado e seguem na disputa do título do Burton Automotive Pro, que será decidido neste domingo na Austrália. O peruano já aparece em quarto lugar no ranking do WSL Qualifying Series liderado por Jadson André e vai enfrentar o vice-líder Jack Robinson na primeira quarta de final. Jadson entra na segunda com o americano Tanner Gudauskas e o Alex vai brigar pela última vaga nas semifinais com o francês Charly Quivront. No sábado também foram definidas as oito finalistas da categoria feminina do QS 6000 de Newcastle, sem nenhuma concorrente ao título do Holmes Civil Developments Pro da América do Sul.

Alex Ribeiro (BRA) (@WSL / Tom Bennett)

Diferente do primeiro QS 6000 do ano em Fernando de Noronha, com o Oi Hang Loose Pro Contest sendo disputado em altas ondas na Cacimba do Padre, na Austrália as condições do mar durante toda a semana foram de ondas pequenas e difíceis para competir em Merewether Beach. O Brasil chegou no sábado com maioria nas oitavas de final, mas os australianos conseguiram igualar o número de dois classificados para o último dia.

Na primeira bateria do dia, o novo top do CT, Deivid Silva, foi barrado pela promessa do surfe australiano, Jack Robinson, que está na briga direta pela ponta do ranking. Ele recebeu 7,83 em sua melhor onda, nota que só foi ultrapassada pelos seus compatriotas. O jovem Caleb Tancred conseguiu a maior nota do Burton Automotive Pro esse ano em sua última onda, 9,23, porém já havia cometido uma interferência e foi eliminado pelo italiano Leonardo Fioravanti. Depois, Matt Banting fez o maior placar do dia, 15,90 pontos somando notas 8,03 e 7,87 contra o japonês Hiroto Ohhara na sexta bateria das oitavas de final.

A segunda foi um duelo sul-americano entre dois Miguels e o peruano Tudela surfou as melhores ondas que entraram na bateria, para superar Miguel Pupo por 12,34 a 9,30 pontos. Com a classificação para as quartas de final, Miguel Tudela subiu para a terceira posição no ranking, mas depois caiu para o quarto lugar com a vitória de Matt Banting. Esta é a melhor colocação que um surfista do Peru já alcançou em toda a história do Circuito Mundial e Miguel Tudela é uma das esperanças do país andino ter seu primeiro top na elite do CT.

No terceiro confronto do dia, o potiguar Jadson André largou na frente com notas 6,20 e 7,77 nas primeiras ondas para vencer por 13,97 pontos. Mas, o sul-africano Beyrick De Vries quase consegue a vitória sobre o líder do ranking no final. Ele também tinha uma nota 6,20 e depois surfou a sua melhor onda, mas precisava de um pouco mais do que o 7,67 recebido. Ele atingiu 13,87 pontos com essa nota, ficando a apenas 1 pontinho de diferença do brasileiro.

Tanner Gudauskas (EUA) (@WSL / Tom Bennett)

BRASIL 1 X 1 ESTADOS UNIDOS – Na disputa seguinte, o norte-americano Tanner Gudauskas mostrou uma precisão incrível na escolha das ondas contra o capixaba Krystian Kymerson. Ele só surfou três em toda a bateria e ganhou notas 7,00 e 7,33 nas duas últimas para vencer tranquilo por 14,33 a 10,40 pontos. O troco veio no último confronto do dia, com o paulista Alex Ribeiro despachando o irmão mais velho de Tanner, Patrick Gudauskas.

Foi mais uma bateria fraca de ondas, mas Alex controlou bem a vantagem conseguida desde o início para ganhar a última vaga para as quartas de final por 11,93 a 9,90 pontos. Os dois já fizeram parte da elite do CT e o americano ainda ameaçou no final, acertando um layback animal numa onda que o brasileiro deixou passar. Mas, Pat Gudauskas precisava de 7,16 pontos e os juízes deram nota 5,13, confirmando a vitória de Alex Ribeiro.

“Eu vi que aquela onda não tinha muito potencial, então deixei mesmo ele pegar, mas fiquei até um pouco nervoso porque ele poderia conseguir os pontos que precisava com uma manobra forte”, disse Alex Ribeiro. “Estou feliz que ele não conseguiu e deu tudo certo pra mim. Em condições difíceis de competir como hoje (sábado), uma onda boa pode surgir do nada, então eu tive que ser inteligente. Estou me sentindo bem aqui e muito animado para as quartas de final amanhã (domingo)”.

QS 6000 FEMININO – No sábado, também foram definidas as quartas de final do QS 6000 Holmes Civil Developments Pro, sem nenhuma sul-americana nas baterias. A grande surpresa foi a eliminação da defensora do título do Surfest Newcastle, Coco Ho. A neozelandesa Paige Hareb barrou a havaiana e vai enfrentar a francesa Cannelle Bulard na terceira quarta de final.

Matt Banting (AUS) (@WSL / Tom Bennett)

A primeira vaga para as semifinais será disputada pela havaiana Malia Manuel e a australiana Isabella Nichols. A segunda quarta de final ficou 100% australiana, com Bronte Macaulay e Zahli Kelly. E outra australiana se classificou na bateria que fechou o sábado em Merewether Beach, Sally Fitzgibbons. Ela superou a compatriota e também top do CT, Nikki Van Dijk, e é favorita na briga pela última vaga para as semifinais com a americana Alyssa Spencer.

Acompanhem as finais das etapas masculina e feminina do QS 6000 do Surfest Newcastle pelo www.worldsurfleague.com. A primeira chamada para as quartas de final foi marcada para as 6h00 do domingo na Austrália, 17h00 do sábado no fuso horário de Brasília.


Créditos Fotografia: Tom Bennett


Divulgação por: João Carvalho WSL South America Media Manager

www.worldsurfleague.com

 

(Visited 21 times, 1 visits today)
E ai gostou? Então nos ajude divulgando nosso trabalho
RSS
Receba nossa newsletter
Facebook
Facebook
Twitter
Visit Us
YouTube
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.